terça-feira, 2 de maio de 2017

Hour of... Cast the First Stone... 017


Quando falamos em arte penso em literatura,pintura,musica e cinema, mas quando pensamos em certos países é o primeiro tema de conversa é monumentos e museus,quando vou a Lisboa o que há para ver , os Jerónimos todos os grandes edifícios históricos ali em Belém,em França queremos ir ver a torre Eiffel o Louvre e em Itália as obras de arte de Leonardo Davinci e Miguel Ângelo,o coliseu de Roma e há tanta variedade de escolha que chegamos aos Hour of Penance.
Cast the First Stone é o que estes italianos fabricaram para este ano de 2017 , um Brutal Death Metal chego de fúria e de uma técnica muito apurada.
Depois de em 2003 aparecerem com a sua primeira obra , Disturbance,o Death Metal destes quarteto singra pelo mundo mais obscuro e cada vez a técnica demonstra que são das melhores propostas e que em cada álbum demonstram que estão ai para as curvas.


When we talk about art I think of literature, painting, music and cinema, but when we think of certain countries it is the first topic of conversation is monuments and museums, when I go to Lisbon what there is to see, the Jeronimos all the great historical buildings there in Belém, in France we want to go see the Eiffel Tower the Louvre and in Italy the works of art of Leonardo da Vinci and Michelangelo, the coliseum of Rome and there is so much variety of choice that we come to the Hour of Penance.
Cast the First Stone is what these Italians made for this year of 2017, a Brutal Death Metal comes from fury and a very fast technique.
After in 2003 they appear with their first work, Disturbance, the quartet's Death Metal singra through the darkest world and each time the technique demonstrates that they are the best proposals and that in each album show that they are there for the curves.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Daemoniac... Spawn of the Fallen... 017

Cinco meses já passaram desde inicio deste ano de 2017 e tanto  já aconteceu neste tempo que já decorreu... parece que ontem estava na rua a celebrar a entrada do novo ano e agora estou aqui a olhar o que já passou desde inicio do ano e passado este tempo todo já sinto alguma nostalgia pelo que aconteceu.
Do tanto que apareceu  e que só agora me dá para começar a disfarçar a muita atividade sonora ,onde a falta de tempo não faz disfarçar a ganancia de tanta produção realizada por conjuntos de pessoas que tentam fazer de tudo para nos alegrar.
Como já disse no inicio deste ano apareceu o primeiro álbum dos Italianos Daemoniac que nos trazem a velha escola do Death Metal e se notarem mostra uma sonoridade bastante influenciada pelos grande ícones da suecia como os Dismember ou uns Entombed para não falar em mais,mas não é por isso que devemos pensar que lá por ser assim não é um bom álbum,sim é um bom álbum que me leva ás raízes da minha infância e a recordar os 25 anos a traz e que já não voltam mas que este Spawn of the Fallen me faz pensar nos bons momentos.
Five months have passed since the beginning of this year of 2017 and so much has happened in this time that has already elapsed ... it seems that yesterday was in the street to celebrate the entrance of the new year and now I am here to look at what has happened since the beginning of the year and Past this whole time I already feel some nostalgia for what happened.
From so much that appeared and that only now gives me to begin to disguise to much sonic activity, where the lack of time does not disguise the profit of so much production realized by sets of people who try to do everything to rejoice to us.
As I said earlier this year appeared the first album of the Daemoniac Italians that bring us the old school of Death Metal and if they notice a sound very influenced by the great icons of Sweden as the Dismember or Entombed not to speak more, but not That's why we should think that there for being so is not a good album, yes it's a good album that takes me to the roots of my childhood and to remember the 25 years brings and that they do not return more than this Spawn of the Fallen Makes me think of the good times.

domingo, 30 de abril de 2017

Delusion... Corpus Christii 017

Olá hoje a chuva cai...eu que pensava que o sol se mantinha por estes dias vivo para com a sua luz iluminar o meu caminho,e agora é isto,nuvens carregadas de um cinzento escuro e o vento assobia forte tentando arrebentar os meus tímpanos.
Mas ainda não chegou a bater há porta, e por isso ainda estou aqui feliz da vida ,a poder ainda gozar alguma coisa e ouvir muita musica e poder ler algum livro que se ponha a olhar para mim com ar de fome e eu o que fazer a não ser devorar???
Hoje fui apanhado de surpresa ,não estava na ideia ou então estava muito distraído com outras coisa,mas para meu espanto ao acordar recebo a novidade Corpus Christii,que acabam de lançar mais um álbum da sua já vasta discografia,Delusion.
Há 18 anos a traz foi lançado Saeculum Domini a primeira obra dos Corpus Christii que nos trazia um Black Metal Cheio de raiva,feroz,agressivo e cheio de vontade de esganiçar qual quer ser vivo.
Agora Delusion mostra um Black Metal mais contido, mais depressivo,mais calmo mas,não é por isso que não é um bom álbum de Black Metal.
9 musicas que me leva a pensar o passado o presente e o futuro,e o agora tenho que afirmar que os Corpus Christii acabam de lançar e de confirmar que são um dos maiores nomes do Black Metal Europeu e que em quase 20 anos de carreira continuam a produzir do melhor que há na sonoridade,
e que não devem nada a ninguém.


Hello today the rain falls ... I who thought that the sun remained by these days alive for with its light to light my way, and now it is, clouds loaded with a dark gray and the wind whistles hard trying to munch mine Tympani.
But I have not yet knocked on the door, so I'm still happy here in life, to still enjoy something and listen to a lot of music and read some book that looks at me with hunger and I what to do Not to devour ???
Today I was taken by surprise, I was not in the idea or else I was very distracted with other things, but to my astonishment upon waking I get the news Corpus Christii, who have just released yet another album from his already vast discography, Delusion.
18 years ago Saeculum Domini was released, the first Corpus Christii work that brought us a Black Metal Full of anger, fierce, aggressive and full of desire to squeeze any one who wants to be alive.
Now Delusion shows a more contained, more depressing, quieter Black Metal, but that's not why it's not a good Black Metal album.
9 music that leads me to think about the past, the present and the future, and now I have to affirm that the Corpus Christii have just launched and confirm that they are one of the biggest names in European Black Metal and that in almost 20 years of career continue To produce the best that there is in the sonority,
And who owe nothing to anyone.




sábado, 29 de abril de 2017

The Project Hate MCMXCIX ... O prazer está lá... / Pleasure is there...

Parece que o tempo passa a correr,já vamos entrar no quinto mês deste ano de 2017,já passaram 120 dias , entre a chuva e o sol, ou na preguiça noturna com a lua a iluminar os edifícios que me rodeiam.
E assim vai sem me aperceber mais ainda aqui estou e acho que ainda vou a tempo de me referir a algo que não é agora já tempo um tempo mas acho que não faz mal.
Vou me referir aos The Project Hate MCMXCIX que lançaram já os eu décimo primeiro álbum de originais,Of Chaos and Carnal Pleasures,Death metal com toque de Industrial,que me leva a dizer que adorei este álbum, são só 6 musicas mas é mais de uma hora de uma sonoridade bastante atraente e que me leva a desgostar este álbum vezes sem fim.

E vai mais um para a Suécia ,que como sabemos é um dos maiores produtores de Death Metal aonde a terra é fértil e por enquanto este ano tem sido um bom ano de colheita e ainda nem a meio vamos.


It seems that time is running, we are going to enter the fifth month of this year of 2017, it has been 120 days, between the rain and the sun, or in the night laziness with the moon illuminating the buildings that surround me.
And so it goes without realizing me even more here I am and I think I'm still going to time to refer to something that is not now a while longer but I think it does not hurt.
I will refer to The Project Hate MCMXCIX that have already released the eleventh album of originals, Of Chaos and Carnal Pleasures, Death metal with industrial touch, which leads me to say that I loved this album, it's only 6 songs but it's more than An hour of a rather attractive sound and that leads me to dislike this album endless times.
And one more goes to Sweden, which as we know is one of the biggest producers of Death Metal where the earth is fertile and for now this year has been a good year of harvest and not even halfway we go.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Dodecahedron...tanta arte que vem de lá... / So much art that comes from there ...

Para o que é isto... estar a recolher flores em vasos alheios e poder dizer com um sinceridade absoluta e cheia de engano os louros todos de uma recolha as escondidas dos verdadeiros donos que tiveram o trabalho ardo de cultivar.
Tudo isto levamos a um assunto do mais grave,como dizer, foi cometido nos países baixos aquilo que poderemos afirmar uma das grandes obras do extremo a serem concebidas neste século 21.
Há séculos a traz lá naquelas terras mais fortes que o mar aonde é conhecida a grande industria das flores e da cerveja,passando pelas extraordinárias obras de Rembrandt a Van Gogh, da filosofia de Erasmo há de Descartes até chegarmos ao século 20 com uns Gorefest ou a uns Sinister na musica mais extrema,e neste anos de 2017 aparece o segundo trabalho de uma banda muito interessante e que nos faz chegar um muito bom trabalho que mistura Black,Death,Doom com um Avant-garde.
Uma mistela de sons dá um excelente segundo álbum de originais dos Dodecahedron.
Kwintessens,41 minutos que nos leva a parar e apreciar,com uma melancolia muito recomendável.
Pesadelo de recordações fabricadas na Holanda que nos faz esperar por mais ,mesmo agora chegou e já estou ansioso que o próximo não demore muito a ser produzido,mas já agora como dica ,também a ansiedade pelo trabalho dos seus conterrâneos Carach Angren que lá para o verão vão lançar mais um trabalho que poderá nos levar a uma guerra civil entre duas potencias.



For what is this ... to be collecting flowers in others' vases and to be able to say with an absolute sincerity and full of deceit all the laurels of a collection hidden from the true owners who had the work burned to cultivate.
All this leads to a matter of the most serious, that is to say, it was committed in the Low Countries that we can affirm one of the great works of the extreme to be conceived in this 21st century.
For centuries it has brought it there in those lands stronger than the sea, where the great industry of flowers and beer is known, passing through the extraordinary works of Rembrandt to Van Gogh, of the philosophy of Erasmus there of Descartes until we reach the 20th century with some Gorefest or A Sinister in the most extreme music, and in this years of 2017 appears the second work of a very interesting band and that brings us a very good work that mixes Black, Death, Doom with an Avant-garde.
A mistela of sounds gives an excellent second album of Dodecahedron originals.
Kwintessens, 41 minutes leading us to stop and enjoy, with a very recommendable melancholy.
Nightmare made of souvenirs made in the Netherlands that makes us wait for more, even now has arrived and I'm already anxious that the next one does not take too long to be produced, but now as a tip, also the anxiety for the work of his countrymen Carach Angren that there for the Summer will launch another work that could lead us to a civil war between two powers.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Na noite que sempre chega / The night that always arrives

Na noite que sempre chega depois de o sol se por, a beleza da penumbra cortada pelas luzes celestiais de estrelas lá ao longe que chegam já mortas.
Eu ainda estou aqui para ver e ouvir de tudo e poder me alegrar com a ejaculação sonora de almas que vivem e que produzem algo que gosto.
Conjunto de almas que fabricam trabalhos ,alguns,de suprema arte,que nos faz entrar num mundo há parte,mundo cheio de enigmas e imagens profundamente abomináveis pela forma que nos é chegada e como a fabricamos na nossa mente.
A minha Alma precisa desse som como do pão para alimentar o meu corpo,e poder sobreviver mais dias com esta barafunda melódica que todos os dias me faz espicaçar a minha pele com os estilhaços provocados por rajadas sonoras,
Quero sempre e sempre mais, obter a minha suprema doses de um vicio, de uma droga deliciosa que me leva a uma overdose e que me faz tomar num delinquente da sociedade.

Sentir o desprezo de condenados que pensam erradamente de mim,eu não sou o que eles querem eu sou eu e não mais um comandado pela ordem suprema da falta de culto livre,e de não viver sobre a ferrugem de pregos contaminados pelas suas salivas acidas.





In the night that always arrives after the sun sets, the beauty of the twilight cut by the celestial lights of stars there in the distance that arrive already dead.
I am still here to see and hear of everything and to be able to rejoice with the sound ejaculation of souls that live and that produce something that I like.
A group of souls who produce works, some of supreme art, that makes us enter a world there is part, a world full of enigmas and images deeply disgusting by the form that comes to us and how we manufacture it in our mind.
My Soul needs this sound as of bread to feed my body, and to be able to survive more days with this melodic stupidity that every day makes me prick my skin with the splinters caused by sound bursts,
I want always and always more, to obtain my supreme doses of a vice, a delicious drug that leads me to an overdose and that makes me take on a delinquent of the society.
To feel the contempt of the damned who think wrong of me, I am not what they want I am I and no longer one commanded by the supreme order of the lack of free worship, and of not living on the rust of nails contaminated by their saliva acid.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Caminhado / walking

Andando pelas ruas da minha cidade,a ouvir a musica que me abençoa a alma,observando a miséria alheia,aqui vou eu a caminho da loucura abençoada e cheia de graça da divindade que o homem criou com ajuda de uma natureza que não é má e que nos pois há prova,qual rato de laboratório,na busca da arca de sons para a transformação de todo um modo de vida triste.
Milhões e milhões de anos passaram e aqui estou eu a caminho de buraco de ilustrações mortas.
E agora com toda uma industria que tenta chegar há perfeição mas que é combatida pela natureza que por vezes se enfurece e faz com que o homem se desova nas águas laçadas de um céu carregado de ira.
Na minha busca de um saber que faz com que o meu caminho se torne numa estrada cheia de pedregulhos afiados com a finalidade de uma dor atroz que me faça desistir da busca de algo que eu quero mas ela,a natureza não.
Agora ponho me aqui a pensar deitado com a doçura de uma musica a ser transmitida por aparelhos abençoados,entro em êxtase e tento estar relaxado e descansar para a viagem não ficar por aqui...
ao que chegou este mundo... poder sem sair de lado nenhum e poder descobrir e apreciar algo que anos a traz pensava ser impossível.
Como neste momento... estou a recordar uma obra prima do metal mais extremo que me surpreende me nos últimos anos e que gosto de recordar com doçura, Voices com o seu segundo álbum London de 2014...já passaram quase 3 anos mas é tão bom ouvir..
o prazer que dá ouvir este trabalho.... fica ai a dica … e fica ai mais uma coisa,ainda não acabou.




Walking the streets of my city, listening to the music that blesses my soul, watching the misery of others, here I am on the way to the blessed and graceful madness of the divinity that man created with the help of a nature that is not bad and That there is evidence, like a laboratory mouse, in the search of the ark of sounds for the transformation of a whole sad way of life.
Millions and millions of years have passed and here I am on my way to a dead-story hole.
And now with a whole industry that tries to reach perfection but is fought by the nature that sometimes rages and makes the man spawn in the loosened waters of a sky loaded with anger.
In my search for a knowledge that makes my path become a road full of sharp boulders for the purpose of an excruciating pain that makes me give up the search for something I want but she, nature does not.
Now I put myself here thinking with the sweetness of a song to be transmitted by blessed devices, I enter in ecstasy and I try to be relaxed and rest for the trip not to stay here ...
To what this world has arrived ... power without going anywhere and being able to discover and appreciate something that years before brought him to be impossible.
As at this moment ... I am recalling a masterpiece of the most extreme metal that surprises me in recent years and that I like to remember with sweetness, Voices with its second album London of 2014 ... it has been almost 3 years but it is So good to hear ..
The pleasure to hear this work .... is the tip ... and there is one more thing, it is not over yet.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

e assim vai o mundo / And so goes the world

Sentado estou a pensar que ainda nada está acabado nesta longa busca de um inspiração quase convertida em religião mas que é contra a propagadizassão de rituais de regime celibatarismo e balístico,como o caso de religiões de cultos pouco credíveis que nos levam a crer em algo pouco credível em que a matéria é a conquista de adversários pelas formas mais atrozes alguma vezes imaginados por pessoas como eu ou tu.
Relembro quando andava na escola e nas aulas de historia era divulgado os sistemas de tortura há busca de uma verdade crida pelas fações pouco humanas.
E não sei por que,mas sinto-me longe dessas conversões algo duvidosas por parte de pessoas com conversas charlatarias que nos tentam convencer em algo pouco porvavel de se ver.
E assim vai o mundo em que vivemos,na guerra tribal de convenções algo duvidosas mas que abrangem milhões de seres humanos que muitos deles inocentes e com a sua pouca instrução são levados a atos pouco ou nada semelhantes com a verdade que é transmitida nas redes de comunicação social.
Eu não abro guerras com ninguém sou um homem livre que vive só com a obrigação de ser um cidadão digno do meu pais.

Esta conversa todo para afirmar o meu repudio a essas crenças que impõe algo pouco... não tenho palavra a não ser que essa religiões na sua base filosófica transmitem o culto do egoismo..


Seated I am thinking that nothing is yet finished in this long search for an inspiration almost converted into religion but that is against the propagadisassisted ritual celibatarism and ballistic, as the case of religions of unbelievable cults that lead us to believe in something little Credible in that matter is the conquest of adversaries by the most atrocious forms sometimes imagined by people like you or me.
I remember when I was in school and in history classes, the systems of torture were divulged, there is a search for a truth believed by the little human factions.
And I do not know why, but I feel far from these somewhat dubious conversions on the part of people with charlatan conversations who try to convince us something unlikely to see.
And so goes the world we live in, in the tribal war of somewhat doubtful conventions but which encompass millions of human beings who many of them innocent and with their little education are led to acts little or nothing like the truth that is transmitted in the networks of Social Communication.
I do not open wars with anyone I am a free man living alone with the obligation to be a citizen worthy of my country.
This whole conversation to affirm my repudiation of these beliefs that imposes something little ... I have no word unless these religions in their philosophical base convey the cult of selfishness.

domingo, 23 de abril de 2017

serei uma inspiração??? / I will be an inspiration ???

Serei uma inspiração???o que será do mundo sem um pouco de inspiração???
Será que serve de alguma coisa dar a opinião do acontecimento ou de acontecimentos que ocorreram durante 37 anos,em que só conto os últimos 20.
Mas agora vamos para o hoje. O que mudou ou o que não me fez com que essa mudar me afeta-se o meu dia a dia.
Como já escrevi em artigos já publicados e que aconteceu no meu passado agora quero ficar mais atento a este presente,e o que há neste presente de tão excitante que não me sento convencido com a sua penetração mental??? Não sei responder posso simplesmente tentar mostrar o que sinto,e o que posso dizer deste tempo, sinto que a mentalidade do apreciador do género metaleiro está se a tornar em algo mais brutal mais agressivo,olho ao meu redor e não sei se estou enganado ou se estão a tentar me baralhar, e olho para o meu círculos de amizades e noto isso.
O pessoal antigamente era mais do Bitoque agora é mais sushi e isso nota-se nestes dias do ano de 2017.
Será que a curiosidade está no ládo do bem ou do mal???
Eu sei e tenho a certeza que o meu mal é o bem dos outros,mas isso é o que menos me importa.
O que me importa mais neste momento é o pouco tempo que tenho de poder refletir neste tempo de vida que acabou de passar e que já não volta a traz.
Pensar que nesta terra banhada pelo Sado tenta-se mas não se adere,e depois ouve-se dizer,”é pá não se passa nada”, vamos lá ver não há mais porque somos poucos e os poucos que se mostram pouco evoluíram e os seus gostos são os mesmos de há 20 anos a traz.
Sou um pouco contra mais não me importo de muitos sítios de diversão noturna não passarem do mesmo e só tentar na graça da nostalgia de um passado que nunca mais voltara e que está ai um presente aonde boas propostas são criadas e que também deveriam de ser divulgadas para mostrar que há evolução na criação sonora mais extrema.

Não estar sempre reféns do culto passado nos anos 80 e 90, eu sei que foi bom mas estamos em 2017 e muito gente já não se lembra. E o culto dos Pantera,Sepultura e companhia já se torna um pouco aborrecido é com ali alem estarem os Xutos e Pontapés a cantarem a minha casinha com um ar já de enjo.




I will be an inspiration ??? what will be of the world without a little inspiration ???
Is it any use to give the opinion of the event or events that have occurred for 37 years, in which I only count the last 20.
But now let's go to today. What has changed or what has not made me change this affects my day to day.
As I wrote in articles already published and what happened in my past now I want to be more attentive to this gift, and what is there in this gift so exciting that I do not feel convinced with his mental penetration ??? I can not answer I can simply try to show what I feel, and what I can say of this time, I feel that the mentality of the lover of the metal genre is becoming something more brutal more aggressive, I look around and I do not know if I am mistaken or If they are trying to shuffle me, and I look at my circles of friends and I notice that.
The folks used to be more of the Bitoque now it's more sushi and it shows in these days of the year 2017.
Is the curiosity in the side of good or evil ???
I know and I am sure that my evil is the good of others, but that is what matters least to me.
What matters most to me at this moment is the little time that I have to be able to reflect in this time of life that has just passed and that is no longer back to back.
To think that in this land bathed by the Sado tries but does not adhere, and then hears himself say, "it's no good," let's see it there is more because we are few and the few that show little evolved and the Your tastes are the same as 20 years ago.
I am a little against more I do not care that many sites of nightlife do not pass from the same and only try in the grace of nostalgia of a past that never returned and that is there a present where good proposals are created and that also they should be divulged To show that there is evolution in the most extreme sound creation.
Not being always hostage to the cult of the 80's and 90's, I know it was good but it's 2017 and a lot of people do not remember. And the cult of the Pantera, Sepultura and company already becomes a little annoying is with there besides the Xutos e Pontapés to sing my little house with an air already enjoined.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Passado VS Futuro / Past against future II

Há cerca do que escrevi ontem ainda tenho muito para dizer, mas também tenho muito para dizer o que se passa neste momento.
Estamos no quarto mês deste ano de 2017 ,e também tem sido editados muitos bons álbuns,para dar o exemplo o primeiro álbum dos Bestia Arcana e dos Ucranianos Windswept, dois trabalhos que gostei e que mais apreciei neste ano.
Mas também com o aparecimento de plataformas como o spotify dou comigo a ouvir insistentemente o World Funeral dos Marduk,que é um álbum para minha modesta opinião, é o melhore deles,e dá mais jeito recordar outra musicas que foram preenchendo momentos passados desta vida,e os exemplos são tantos que não vale a pena fazer aqui um lista,porque era uma lista que o seu fim deverá estar próximo do infinito.
A quantidade que existe de músicas, que não conseguimos imaginar, e não estou só a falar do agora,podemos pensar no tempo do Bach,Handel ou do Mozart em que a musica não tinha a projeção que agora tem e que ainda deverá de ter mais.
Agora vou escrever algo que se passou,quando comecei a dar os primeiros passos neste caminho mais extremo da arte sonora,a primeira musica que ouvi foi R.D.P. Ainda me lembro tão bem,e o Gothic dos Paradise Lost,Iron Maiden, só depois é que ouvi os Metallica,Megadeth os Slayer ou os Pantera, e quando saio o Wolfheart dos Moonspell,a quantidade de vezes que ouvi,tenho tantos exemplo que não me vou alongar.
E assim estou eu aqui a olhar para o meu passado, mas o presente como o futuro não ficam a traz,para dar um exemplo de um álbum dos últimos tempos fez moça foi o The Satanism dos Behemoth.
Tudo isto dá que pensar??? Acho que sim,é a minha evolução... como apreciador do meio...



There are some of what I wrote yesterday I still have a lot to say, but I also have a lot to say what is happening at the moment.
We are in the fourth month of this year of 2017, and many good albums have also been edited, to give the example the first album of the Bestia Arcana and the Ukrainians Windswept, two works that I enjoyed and that more I appreciated this year.
But also with the appearance of platforms like the spotify I listen to me insistently listen to the World Funeral of the Marduk, which is an album to my modest opinion, is the best of them, and it gives better way to remember other songs that were filling past moments of this life, And the examples are so many that it is not worth making a list here, because it was a list that your end should be close to infinity.
The amount of songs we can not imagine, and I'm not just talking about the now, we can think about the time of Bach, Handel or Mozart in which the music did not have the projection that now has and that should still have more .
Now I'm going to write something that happened, when I started to take the first steps in this most extreme way of sound art, the first song I heard was R.D.P. I still remember so well, and the Gothic of Paradise Lost, Iron Maiden, only after I've heard Metallica, Megadeth the Slayers or the Panthers, and when I leave the Wolfheart of the Moonspell, the amount of times I've heard, I have so many examples I'm not going to stretch.
And so I am here to look at my past, but the present as the future do not fall behind, to give an example of an album of recent times made girl was The Satanism of the Behemoth.
All this gives you thought ??? I think so, it's my evolution ... as a lover of the environment ...



quinta-feira, 20 de abril de 2017

o passado já lá vai , e agora que venha o futuro/The past is already there, and now that the future comes

Aqui estou eu,a olhar de novo o horizonte,o som das ondas a bater nas rochas ,de uma terra ainda por explorar.
Aqui vou eu na torrente marítima, afogar tudo o que se encontra em mim,e tentar limpar a sujidade entranhada num corpo que ainda não está morto.
Levanto me para procurar algo que se esconde ,e corro juntamente com o vento que arrasta as folhas daquela árvore ali plantada, aonde algum bichos dela fazem casa e que a mim dão o cheiro do óleo produzido por ela.

E Assim estou a caminho de mais uma aventura sonorica que me leva a uma loucura San,
Hoje como ontem tenho estado a recordar certos sons que me deliciaram durante períodos de tempo,como nos fins dos anos 90, ouvir o Nightwing dos Marduk, At Heart of the Winter dos Immortal,hoje em dia ,todos os dias,aparece novas obras sonoricas,mas ao contrario daquelas que saiam nos anos noventa ,não se torna em objetos de culto,como cheguei a assistir ao culto dos Cradle of Filth.
Estamos em 2017,ano de boas colheitas,ano em que o culto já não é o mesmo,e quando estamos com amigos vamos sempre buscar o passado,”lembras-te”.
Lembro-me de ver o que é agora impossível ver,quem se lembra nos anos 90 ver na MTV vídeos dos Carcass,Napalm Death,At The Gates,Morbid Angel e etc... que se lembra do Ace Aventura ver os Grandes Cannibal Corpse com o Hammer...

Agora conseguimos ouvir um álbum durante 2 ou 3 semanas e chega.
Pergunto a mim qual terá sido o último álbum que me fez ouvir repetidas vezes???
Não me recordo.





Here I am, looking at the horizon again, the sound of the waves crashing on the rocks, of a land yet to be explored.
Here I go in the sea torrent, to drown all that is in me, and to try to clean the ingrained dirt in a body that is not yet dead.
I get up to look for something that hides, and I run along with the wind that drags the leaves of that tree there planted, where some animals of her house and that smell the oil produced by her.
And so I'm on my way to another sonorous adventure that leads me to a San madness,
Today like yesterday I have been remembering certain sounds that have delighted me during periods of time, as in the late 90's, listening to the Nightwing of the Marduk, At the Heart of the Winter of the Immortal, nowadays, every day, new sound works , But unlike those dating back to the 1990s, it does not become a cult object, as I even attended the worship of the Cradle of Filth.
We are in 2017, a year of good harvests, a year when worship is no longer the same, and when we are with friends we will always seek the past, "remember."
I remember seeing what is now impossible to see, who remembers in the 90's watch on MTV videos of Carcass, Napalm Death, At The Gates, Morbid Angel and etc ... who remembers the Ace Adventure see the Great Cannibal Corpse With the Hammer ...
Now we can hear an album for 2 or 3 weeks and that's enough.
I ask myself what was the last album that made me listen to it again and again ???
I do not remember.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

The art of ULVER world.... The Assassination of Julius Ceaser...

O que se passa,o que me deu,já sei,aquilo que a todos dá e,a mim também me calhou em sorte...
Estou aqui e,não sei como me exprimir... mas estou viciado...
Olho para mim e, penso nos últimos tempos, e posso afirmar que há já muito tempo não estava assim e, o mais engraçado é que não tem nada a ver com a minha dose diária de metal mas sim uma obra prima de uma banda que sempre me fascinou e que agora acaba de lançar uma das obras primas deste ano de 2017.
Já lá vai 22 anos,quando saiu Bergtatt -Et Eeventyr I 5 Capitler,o primeiro álbum dos muitos que iam ser criados pelos Ulver, Folk Black Metal, e que nos troce um dos mais excitantes vocalistas da ária,Kristoffer Rygg, que também nos maravilhou noutras bandas,como,Arcturus e os Borknagar.
Mas agora o meu fascínio chegou a um ponto de ebulição com este The Assassination of Julius Caeser.

25 anos de pura magia que não se extingue com o passar dos anos,e aqui está mais uma vez,mesmo passando pelas transformações sonoras, mister Rygg e companhia sabem criar algo que nunca esperei adorar e The Assassination of Julius Caeser é o testemunho disso.


What is happening, what gave me, I know, what gives everyone and me, too, I got lucky ...
I'm here and I do not know how to express myself ... but I'm addicted ...
I look at myself and, I think in recent times, and I can say that for a long time was not so and, the funny thing is that it has nothing to do with my daily dose of metal but a masterpiece of a band that always Fascinated me and now has just released one of the masterpieces of this year of 2017.
It's been twenty-two years since Bergtatt left -Et Eeventyr I 5 Capitler, the first album of the many to be created by Ulver, Folk Black Metal, and one of the most exciting aria vocalists, Kristoffer Rygg, who also He marveled at other bands, such as Arcturus and the Borknagar.
But now my fascination has come to a boiling point with this The Assassination of Julius Caeser.
25 years of pure magic that does not die out with the passing of the years, and here it is again, even going through the sonic transformations, mister Rygg and company know how to create something that I never expected to love and The Assassination of Julius Caeser is the testimony of this.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Art of ...King of Asgard - :Taurd:

… Viajando pelos mares polares na descoberta de novas terras para sequiar,guerreiros que nos seus velozes dracares ,atravessam rios há procura de tesouros.
Tribalidade violenta na procura do sucesso e da gloria. Comandado por deuses ,a sua fúria era devastadora e arrasavam tudo o que viam demonstrado o seu poder perante povos pacíficos. Assim era no passado e agora no presente somos glorificados por sonoridades de melodias que criam uma atmosfera que nos transporta para essa época.
Existe nos países escandinavos,Suécia,Noruega,Dinamarca, no seu folclore e tradição,demonstrar o orgulho dos seus antepassados,como eu em Portugal tenho orgulho nas grandes descobertas que fomos capazes de construir com o empenho de um povo que na altura lutava pelo orgulho nacionalista. Na Suécia há bandas que transformam esse orgulho de terem na sua historia algo que lhes faça orgulhar dos seus antepassados,e,existe enumeras bandas que tentam produzir melodias dessa época mas agora ,para mim,vou falar de uma banda que gosto particular mente,se calhar a que mais aprecio, são os Suecos King of Asgard que neste mês de Março lançaram o seu quarto álbum de originais, :Taurd:, que é composto por 4 musicas originais e uma cover dos seus conterrâneos Mithotyn,são 33 minutos de bom Death Metal ou melhor dizer,Viking Death Metal.
Eu para dizer,posso estar enganado, o que me leva a gostar muito dos trabalhos produzidos e especialmente este :Taurd: é o facto de me levar há recordação de uma das maiores criações da Historia da Música da Suécia,Bathory.
Acho que este trabalho.:Taurd:,tem algo que os Bathory nos Blood,Fire,Death,Hammerheart ou no Twilight of the gods,aquelas melodias produzidas pela guitarra que demonstrava bem ás qualidades trazidas e criadas pelo mestre Quarton.
Por isso este quarto álbum dos King of Asgard faz me levar a uma mistura que me agrada e que me fascina,por isso ,para mim,digo,procurem e apreciem que iram gostar como eu gostei...




... Traveling through the polar seas in the discovery of new lands to dry, warriors who in their swift dracares, cross rivers in search of treasures.
Violent tribality in search of success and glory. Commanded by gods, their fury was devastating and they destroyed all that they had demonstrated their power before peaceful peoples. So it was in the past and now in the present we are glorified by sonorities of melodies that create an atmosphere that transports us to that time.
In the Scandinavian countries, Sweden, Norway and Denmark, in their folklore and tradition, demonstrate the pride of their ancestors, as I in Portugal, I am proud of the great discoveries that we were able to build with the commitment of a people who at the time struggled for pride nationalist. In Sweden there are bands that turn this pride into something that makes them proud of their ancestors, and there are a number of bands that try to produce melodies from that era but now, for me, I'm going to talk about a band that I particularly like, if The King of Asgard, who in March released their fourth album of originals: Taurd :, which consists of 4 original songs and a cover of their countrymen Mithotyn, are 33 minutes of good Death Metal or rather, Viking Death Metal.
To tell you, I may be mistaken, which leads me to enjoy the works produced and especially this one: Taurd: it's the fact that it brings me to remember one of the greatest creations of the History of Music of Sweden, Bathory.
I think this work. Taurd: There's something Bathory in Blood, Fire, Death, Hammerheart or Twilight of the gods, those melodies produced by the guitar that demonstrated well the qualities brought and created by Master Quarton.
So this fourth album of the King of Asgard leads me to a mix that pleases me and fascinates me, so for me, I say, look for and appreciate that they would enjoy it as I liked it ...

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Azarath - In Extremis...

Entre os montes Cárpatos e as longas planícies aonde longos rios como o Vístula,que atravessam as florestas negras de uma pais que foi dizimado pela guerra e com ela nasceu algo só ouvidas pelas ondas sonoras largadas por torpedeiros das muitas cidades eslavas.
Na Polónia são lançados ataques sistemáticos de grandes bandas que fabricarão nas suas bases trabalhos que faz com que ficamos a pensar,o que é isto???
Ondas violentas provocadas por criadores e por autodidatas de uma e longa criação de uma linhagem que não só se estende a pormenores de uma vida de tragédias passadas.
Quem diria que pessoas dos mais diversos sítios se juntassem para criar algo,mesmo que não nos traga nada de novo,nos enriquece o espírito e nos faz querem mais.
O que faz um membro dos Behemoth querer através de outro grupo ,mostrar que ainda está para as curvas e que quer mais e mais,e assim é.
Azarath é a banda,que acaba de lançar o seu sexto álbum de originais , In Extremis.
Posso dizer que em termos sonoros,é um Death/Black Metal que me leva aos Hate Eternal ou aos Nile,como juntar a sonoridade dos Behemoth com os já consagrados Vader.
Não sendo nada de refrescante , In Extremis,montra mesmo assim ser agradável e viciante, e sentir a adrenalina da rapidez e da fúria que é posta a nus nesta criação polaca.



Between the Carpathian mountains and the long plains where long rivers such as the Vistula, which cross the black forests of a country that was wiped out by war and with it was born something only heard by the sound waves dropped by torpedo boats of the many Slavic cities.
In Poland are launched systematic attacks of great bands that will manufacture in their bases works that makes us to think, what is this ???
Violent waves brought about by creators and by self-taught ones of a long creation of a lineage that not only extends to the details of a life of past tragedies.
Who would have thought that people from the most diverse places would come together to create something, even if it did not bring us anything new, enriches our spirit and makes us want more.
What makes one member of the Behemoth want through another group, to show that he is still up for the curves and wants more and more, and so it is.
Azarath is the band, which has just released their sixth album of originals, In Extremis.
I can say that in sonorous terms, it's a Death / Black Metal that leads me to the Eternal Hate or the Nile, how to join the Behemoth sonority with the already consecrated Vader.
Not being refreshing, In Extremis, it is still nice and addictive, and feel the adrenaline of speed and fury that is put to the nude in this Polish creation.

sábado, 8 de abril de 2017

Cut Up - Wherever They May Rot ...

...com tanta coisa que se passa no mundo ,hoje em dia, temos que agradecer de ainda podermos regozijar com a sorte de estar aqui e poder ver e ouvir sem nos condenar a um mundo sofrível que podia ser.
Todos os dias podemos ver peças de arte e assistir a bons filmes,podemos ouvir os passarinhos a piar e a música dos estilos que mais gostamos,não nesse citamos de chatear ninguém,e, deitar me num jardim ou nalguma praia e poder,sem ser o barulho do trafico,ouvir as melodias feitas por notas extravagantes por pessoas que como eu gosto de mostrar e de ouvir o seu trabalho.
Passado esta perturbante resticios de algo que me atrai e que cada vez mais posso afirmar,com surpresa, que a vida corre e percorre as ondas sonoras de bandas que trabalham dias a finco para no fim produzirem a aquela droga que tanta falta nos faz.
Isto demonstra que há muito para dar,e que o fim não quer dizer nada,a não ser o único fim que todos conhecemos e que iremos lá um dia chegar,a morte.
Tudo isto para falar que há pessoas que com mil formas de alegrar o publico,nunca se cansam e,mesmo que o projeto tenha chegado ao fim,começam logo outro ,para nosso alivio,e,assim chega nos os Cut Up, banda que acaba de lançar o seu segundo álbum, um Death Metal com toques do velho com o moderno, alem de ser uma banda sueca e que os seu membros já tiveram outras bandas como , Vomitory,Torture Division,Coldworker ou os The Project Hate MCMXCIX,tudo bandas de um nível de agrado superior.
Quando se ouve falar,”olha são da Suécia” , leva logo ao Death Metal de Gotemburgo,há onda mais melódica mas os Cut Up neste seu trabalho,Wherever They May Rot,pode se dizer que não é bem assim. Sim é Death Metal,cheio de pica há moda antiga e que nos fazem dizer que cada vez mais o Metal não é de modas, os Cut Up demonstram que mesmo depois de tantos anos neste mundo ainda há muito para dar e eles demonstram em Wherever They May Rot.

Musicas rápidas e cheias de feling ,mesmo não sendo o mais original dá para ouvir e apreciar e dizer que passam os anos e as vontades mas continuamos a devorar ainda mais este projeto de senhores que não se cansam de trabalhar para nós.


... with so much that is happening in the world, today, we have to thank to still be able to rejoice with the luck to be here and to be able to see and to listen without condemning us to a suffering world that could be.
Every day we can see pieces of art and watch good movies, we can hear the birds chirping and the music of the styles we like most, not in that we talk of annoying nobody, and, lying in a garden or some beach and power, without being The noise of traffic, listening to the melodies made by extravagant notes by people who like how I like to show and listen to their work.
Past this disturbing resticios of something that attracts me and that more and more I can affirm, with surprise, that the life runs and it runs through the sound waves of bands that work days to finco in order to produce in that end that drug that so much misses us.
This shows that there is much to give, and that the end means nothing, except the only end we all know and that we will one day, death.
All this to say that there are people who with a thousand ways to brighten the public, never get tired and, even if the project has come to an end, another one begins soon, to our relief, and so arrives us Cut Up, band that finishes To release their second album, a Death Metal with touches of the old with the modern, besides being a Swedish band and that its members already had other bands like, Vomitory, Torture Division, Coldworker or The Project Hate MCMXCIX, all bands Of a higher level of enjoyment.
When you hear it, "Looks are from Sweden", it soon leads to Gothenburg's Death Metal, there is a more melodic wave but the Cut Up in this work, Wherever They May Rot, can not be said to be that way. Yes it is Death Metal, full of sting there is old fashion and that make us say that more and more Metal is not fashions, the Cut Up demonstrate that even after so many years in this world there is still much to give and they demonstrate in Wherever They May Rot.
Fast and full of feling music, even though it is not the most original, you can listen and enjoy and say that the years and the wishes pass, but we continue to devour this project of gentlemen who never tire of working for us.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Abscission... Vacuity...

Nos mares revoltos das terras do norte,aonde a neve e o gelo são mais fortes que o fogo,no coração há sempre espaço para mais alguma coisa, e, no seu circuito encontramos algo que nos acaba de chegar ,nesta época cheia de novidades aonde tudo comanda o tudo,e no fim de contas ainda samos e, seremos surpreendidos por algo de novo que se cria e se espalha,qual peste negra,pela comunidade.
Misturas de poções,que dão em algo que nos podem alegrar ou nos podem deixar na mesma,e, com isso nada nos traz de novo.
Eu,não posso dizer o que os outros pensão,mas posso afirmar,que todos os dias descubro novidades,que com a comunicação rápida que me chega ás mão e ponho a minha alma a trabalhar.
E aqui esta,mais uma novidade acabada de chegar,e é o primeiro trabalho dos Abscission,que nos trazem em Vacuity a mistura consagrada do Death Metal e o Black Metal,que me agrada e que me faz pensar o tanto ainda estará para vir,e, este Vacuity é mais uma peça neste xadrez que ainda demonstra que o jogo está longe do fim.
Dinamarca,pais conservador,onde nem tudo é pacifico, terra de muitas gerações de metaleiros,Lars Ulrich,King Diamond passado pelos Mercyful Fate e muito mais, e agora chegam os Abscission que mostram que lá na Dinamarca ainda há cavaleiros ,e os Abscission demonstram que ainda não morreu.
São 10,sim são 10 os temas que nós é dado a ouvir neste trabalho,10 capítulos que me fazem pensar como é bom viver neste mundo e poder ouvir sons que nunca morrem,e tenho só uma palavra para dizer deste álbum,adorei.

Espero que tenha conseguido abrir mais almas a ouvir o primeiro de muitos dos Abscission – Vacuity.


In the turbulent seas of the northern lands, where snow and ice are stronger than fire, in the heart there is always room for something else, and in your circuit we find something that has just come to us, in this season full of news where Everything commands the whole, and at the end of the day we still are, and we will be surprised by something new that is created and spreads, what black plague, by the community.
Mixtures of potions, which give something that can cheer us or can leave us in the same, and with this nothing brings us again.
I, I can not say what the other pension, but I can say, every day I discover news, that with quick communication reaches my hand and I put my soul to work.
And here it is, one more news just arrived, and is the first work of the Abscission, which brings us in Vacuity the consecrated mixture of Death Metal and Black Metal, which pleases me and makes me think how much still to come, And, this Vacuity is yet another piece in this chess that still demonstrates that the game is far from over.
Denmark, a conservative country where not everything is peaceful, land of many generations of metalworkers, Lars Ulrich, King Diamond passed by the Mercyful Fate and more, and now come the Abscission showing that there are still knights in Denmark, and the Abscission demonstrate Who has not yet died.
There are 10, yes there are 10 themes that we are given to listen to in this work, 10 chapters that make me think how good it is to live in this world and hear sounds that never die, and I have only one word to say about this album, I loved it.
I hope you have been able to open up more souls by listening to the first of many Abscission - Vacuities.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Bestia Arcana - Holókauston...

Na escuridão da noite as estrelas brilhão e os lobos uivam... e nos estados unidos da america chega os Bestia Arcana com as suas harmonias demoníacas,um black metal devastador que arrasa toda a planice semeada .
HOLÓKAUSTON é o segundo trabalho desta banda,Bestia Arcana,black metal,sim, black metal com garra de um guerreiro que desespera pela guerra e que matar é o seu trabalho.
Muito agradável,a crueldade da rapidez da melodia criada neste álbum,músicas que nos satisfazem com doçura,que nos fazem ouvir repetidas vezes,ouvir as 4 faixas desta obra e regressar para ouvir novamente,41 minutos de prazer que faz nos sentar e ouvir desligados de tudo que nos rodeia.
Aqui esta uma grande obra prima desta banda.
Que tal falar mais desta banda??? já sabemos da onde são,mas fica aqui,que os membros dos Bestia Arcana também fazem parte de outras bandas,das quais os Nightbringer.
Sim os Nightbringer que pelas noticias ,neste ano de 2017 também iram lança um novo trabalho,aonde “parece” que o nome será Terra Damnata, estou ansioso que me chegue para ouvir e tentar demonstrar por palavras o álbum dos Nightbringer.
Não percam mais tempo, que o tempo um dia vai acabar e,antes que ele se acabe vamos é todos ouvir Holókauston dos Bestia Arcana.
In the darkness of the night the stars shine and the wolves howl ... and in the United States of America comes the Bestia Arcana with its demonic harmonies, a devastating black metal that destroys the entire planted seedlings.
HOLOCAUSTON is the second work of this band, Bestia Arcana, black metal, yes, black metal with claw of a warrior who despairs for war and that killing is his job.
Very pleasant, the cruelty of the speed of the melody created in this album, songs that satisfy us with sweetness, which make us listen repeatedly, listen to the 4 tracks of this work and return to listen again, 41 minutes of pleasure that makes us sit and listen off Of everything around us.
Here is a great masterpiece of this band.
How about talking more about this band ??? We already know where they are, but stay here, that the members of the Bestia Arcana are also part of other bands, of which the Nightbringer.
Yes the Nightbringer that in the news in this year of 2017 will also launch a new work, where it seems that the name will be Terra Damnata, I am anxious that I arrive to listen and try to demonstrate by words the album of the Nightbringer.
Do not waste more time, that time will one day be over, and before it's over let's all hear Holókauston of the Arcane Beast.


terça-feira, 4 de abril de 2017

Wonderful quick Ukrainian...Windswept....

Venho por este meio falar do primeiro trabalho desta banda Ucraniana, Windswept,que nos traz um Black Metal muito interessante e muito agradável de se ouvir horas a fio.
Este The Great Cold Steppe ,mostra que no leste da Europa encontra-se muito boas bandas a produzirem muito boa música para os nossos ouvidos ,e, os Windswept são uma delas.
Não percam e vaiam tentar ouvir este grande trabalho,e ainda por cima o primeiro desta banda, dos WindsweptThe Great Cold Steppe.
Espero que tenha trazido e gostava de que lesse desse a sua opinião,não vou dar notas mas sim a minha opinião e espero que esteja certo,e mais uma vez procurem que vão ficar um pouco mais cheios de contentamento de saber que ainda existe bandas dos mais remotos lugares do mundo que nos trazem a alegria de saber que ainda se criam bons álbuns...



I hereby speak of the first work of this Ukrainian band, Windswept, which brings us a very interesting and very pleasant Black Metal to hear for hours on end.
This Great Cold Steppe shows that in Eastern Europe there are very good bands producing very good music for our ears, and the Windswept are one of them.
Do not miss and go try to listen to this great work, and also the first of this band, Windswept, The Great Cold Steppe.
I hope you have brought it and I would like you to read your opinion, I will not give you notes but my opinion and I hope you are right, and once again look that you will be a little more pleased to know that there are still bands of The remotest places in the world that bring us the joy of knowing that good albums are still being created ...

segunda-feira, 27 de março de 2017

Melodic shadow of sweden... Evocation...


Aqui está um bom álbum de death metal. Como podem confirmar os Evocation já são uma banda com algum renome neste meio do death metal, e a primeira coisa que se nota neste último trabalho, The Shadow Archetype, é um Death Metal Melódico da Suécia, fazendo me lembrar muito os Dark Traquillity e mesmo os At The Gates.
Mas é um álbum muito bom,faz-me levar aos miados dos anos 90 do século passado e recordar e, este é sem duvida um grande trabalho deste ano de 2017.
Para que gosta e é fan de Death Metal melódico (onda sueca), vaiam já procurar este trabalho dos Evocation – The Shadow Archetype.


Here's a good death metal album. As you can confirm the Evocation are already a band with some renown in this midst of death metal, and the first thing you notice in this latest work, The Shadow Archetype, is a Swedish Melodic Death Metal, reminding me of the Dark Traquillity and even The At The Gates.
But it's a very good album, it makes me take the mid-90's of last century and remember, and this is undoubtedly a great job this year of 2017.
For what it likes and is fan of Melodic Death Metal (swedish wave), will already look for this work of Evocation - The Shadow Archetype.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Jump with Gape...

Sambar com Patria...

Ello France...Fleshdoll in the House...

United to Fell Ruin... Black...Metal..

United States of Cuscuta...Ruin...

UK... Cold... Fell... Metal...

The France, Svart Crown...

sábado, 25 de fevereiro de 2017

domingo, 19 de fevereiro de 2017

USA,Grindcore,The Drip, 2017

Poland, Death Metal, Uerberos, 2017

France, Black/Death Wrath from above 2017

Aqui estou eu...
Todos os dias sou abalroado por coisas que não me dizem nada,
não só a mim, como a muita gente,
noticias absurdas,
atestados de burrice aguda,
que tentam impor na população,
deste mundo,
cheio de absurdos macabros,
de algum magnatas,da falsa informação,

e da ignorância extrema.
Todos os dias há coisas novas,
imagens,
sons,
escritos,
mensagens que tentam enganar,
a todos,
e a eles,
na política como na cidadania,
o que conta é a mentira.
macabro da  coisa ruim
da morte completa da realidade,
sobrevivência da visão,

Visão,
qual o seu significado???
Visão.
verdade ou mentira.
Aonde ficamos???
Ai Portugal,Portugal...
para aonde caminhas tu,
aonde nos levas
para um abismo???
para uma estrada sem fim???
ou para o paraíso 
onde tudo é maravilha,
A maquina que nós conduz
não tem condutor,
ele saltou,
antes,
ou talvez,
ainda não chegou,
ao fim...